A mitologia do vinho: tudo sobre Baco e Dionísio

baco

Quem foi Dionísio? E Baco? Chegou a hora de entender melhor a mitologia por trás do mundo vinhos e os deuses que o representam. Confira!

Se você chegou até aqui, provavelmente já sabe que o vinho é uma bebida milenar, que acompanha a história da humanidade desde os tempos antigos. Mas você sabia que o vinho também tem uma forte ligação com a mitologia e a religião? Neste texto, vamos falar sobre dois deuses que representam o vinho e a festa na cultura grega e na romana: Dionísio e Baco.

Dionísio, o protetor grego dos vinhos

grécia
Templo grego em Atenas (Foto: Reprodução/Jimmy Teoh)

Para os gregos, Dionísio era o deus do vinho, da fertilidade, do teatro e do êxtase. Ele era filho de Zeus, o rei dos deuses, e de Sêmele, uma princesa mortal. Segundo a lenda, Zeus se apaixonou por Sêmele e a engravidou, mas Hera, a esposa ciumenta de Zeus, se disfarçou de amiga de Sêmele e a convenceu a pedir para ver Zeus em sua forma verdadeira. Zeus sabia que isso seria fatal para Sêmele, mas não pôde negar seu pedido. Então, ele apareceu diante dela com seus raios e trovões, e Sêmele morreu queimada. Zeus conseguiu salvar o bebê Dionísio, costurando-o em sua coxa até ele nascer.

Dionísio cresceu sob os cuidados de ninfas e sátiros, aprendendo os segredos da natureza e da vinicultura. Ele também foi iniciado nos mistérios de sua mãe, que era adorada como uma deusa da terra. Dionísio se tornou um deus errante, viajando pelo mundo com seu cortejo de seguidores, espalhando a alegria do vinho e da música. Ele também ensinou aos homens a arte do teatro, que era uma forma de homenageá-lo e de expressar suas emoções.

Dionísio era um deus ambíguo, que podia trazer tanto a felicidade quanto a loucura. Ele era o patrono dos rituais dionisíacos, que envolviam danças frenéticas, música extática, sacrifícios animais e consumo de vinho. Esses rituais eram uma forma de libertar os participantes das convenções sociais e de se conectar com o divino. No entanto, eles também podiam provocar comportamentos violentos e descontrolados em quem o adorava em excesso, como o caso das mênades, as mulheres devotas de Dionísio que se transformavam em feras selvagens. Por isso mesmo, devemos consumir o vinho com moderação!

Dionísio também enfrentou muita resistência e perseguição por parte daqueles que não aceitavam sua divindade ou seu culto. Um exemplo foi o rei Penteu de Tebas, que proibiu o culto a Dionísio em seu reino e prendeu o próprio deus disfarçado de mortal. Dionísio se vingou fazendo com que as mulheres de Tebas, incluindo a mãe e as tias de Penteu, enlouquecessem e saíssem para as montanhas para celebrar os rituais dionisíacos. Lá, elas confundiram Penteu com um leão e o despedaçaram vivo.

Dionísio era casado com Ariadne, a princesa de Creta que ajudou Teseu a escapar do labirinto do Minotauro. Dionísio se apaixonou por ela quando a encontrou abandonada na ilha de Naxos por Teseu. Ele a levou para o Olimpo e lhe deu uma coroa de estrelas como presente.

Baco e a prosperidade através do vinho

baco dionísio
Representação de Baco em pintura de Caravaggio (Foto: Reprodução/Adobe Stock)

Baco, por sua vez, era o nome romano do deus grego Dionísio. Os romanos incorporaram muitos aspectos da cultura grega em sua religião, mas também deram algumas características próprias aos seus deuses. Baco era mais associado à agricultura e à civilização do que à natureza selvagem. Ele era visto como um deus benéfico, que trazia prosperidade e paz aos homens através do vinho. Ele também era o protetor dos poetas e dos artistas.

Baco tinha um festival anual chamado Bacanália, que era celebrado em março. Nesse festival, os romanos se entregavam ao vinho e à diversão em honra ao deus. No entanto, as Bacanálias também eram marcadas por excessos e escândalos, que levaram o Senado Romano a proibi-las em 186 a.C., alegando que eram uma ameaça à ordem pública e à moral.

Baco era filho de Júpiter, o equivalente romano de Zeus, e de Sêmele, que era chamada de Stimula pelos romanos. Ele também era casado com Ariadne, que era chamada de Libera pelos romanos. Ele tinha um filho chamado Priapo, que era um deus da fertilidade.

Baco e Dionísio são dois exemplos de como o vinho é uma bebida que transcende o simples prazer sensorial e se torna um símbolo de cultura, arte e religião. Já que, mitologicamente, o vinho é uma forma de celebrar a vida e de se aproximar do sagrado, que tal experimentar um dos nossos vinhos? Confira a seleção que fizemos especialmente para você!

Experimente a bebida dos deuses

Taça de vinho tinto (Foto: Reprodução/Elina Sazonova)

Vinho Corbelli Pinot Grigio

Refrescante, o siciliano Corbelli Pinot Grigio é perfeito para acompanhar carnes brancas, aperitivos e risotos. Este vinho branco apresenta aromas de frutas como maçã e pera, com toque de cítricos e florais. Em boca, tem ótima acidez e sabores de frutas brancas. Neste vinho, a vinificação inclui contato com a casca de parte do vinho para maior extrato e corpo.

Vinho Porteño Malbec

Vinho elaborado com uvas Malbec em Mendoza. Destacam-se os aromas de especiarias, como pimenta preta. Em boca, é frutado, equilibrado e com taninos macios.

Vinho Reserva Familiar Tannat

De excelente acidez e de final equilibrado, este vinho tinto uruguaio possui aromas de frutas escuras, com notas de chocolate e tostado. No paladar, destacam-se os taninos bem estruturados.

Vinho Reguengos Reserva dos Sócios

Vinho tinto português complexo e profundo, com notas intensas de frutas pretas, especiarias, baunilha e café. Os taninos são presentes, porém finos e agradáveis. Vinho muito longo em boca e extremamente gastronômico. Amadureceu em barricas de carvalho francês e americano durante 12 meses.

Quer mergulhar ainda mais fundo no universo dos vinhos? Acesse o nosso blog!